jusbrasil.com.br
21 de Outubro de 2019

Lula não será o último - enquanto houver brasileiro, haverá político corrupto!

Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
há 2 anos

De nada adianta pegar um só político e colocá-lo "para Cristo"; amanhã ou depois haverá piores e poderá vir, inclusive, de um dos atuais integrantes da "manada" contra Lula (o réu da vez)! Foi assim na época de Fernando Collor; os que gritavam contra o corrupto (os corruptos) daquele momento, são os corruptos de hoje; e assim será sempre!

Enquanto houver brasileiro que briga por político de estimação; digo, "corrupto de estimação", seguirá havendo corrupção!

Não dá para colocar a "mão no fogo" por nenhum partido, quem dirá político.

Não é de hoje que os brasileiros são corruptos! Aprenderam a ser assim com os descobridores Europeus, entretanto, tornaram-se mestres. Hoje, teriam orgulho dos pupilos que atravessaram gerações.

Felizmente, para eles, com o passar dos anos, esse aprendizado, que não há nada do que se orgulhar, diminuiu, consideravelmente.

Na atualidade, Portugueses, Holandeses e Franceses não se parecem em nada com os Brasileiros - esse nosso povo está sempre querendo se dar bem - seja por pequenas coisas (que chamam de "jeitinho brasileiro") ou por grandes. As grandes, geralmente passam a existir, a partir do momento que podem! Os que praticam jeitinho brasileiro, e outras contravenções diárias, o que lhes faltam para grandes delitos, são OPORTUNIDADES!

O trecho do parágrafo anterior me fez recordar um artigo que escrevi há alguns meses, aqui mesmo no Jus Brasil, intitulado de "Jeitinho Brasileiro é igual a corrupção do cotidiano".



A frase que mais gosto do artigo é, "em tese", de Machado de Assis e diz o seguinte: "A ocasião NÃO faz o ladrão pois esse nasce feito, a ocasião faz o furtador"!

Novamente finalizaremos com ela; faremos isso porque entendemos ter tudo a ver com política, políticos e povo brasileiro!

Assim, a maioria deveria "enfiar o rabo entre as pernas" e sair de "fininho" da manada; afinal, se tivessem oportunidade fariam igual, senão pior que o atual corrupto do banco do Supremo (hoje)!

Por Elane F. de Souza (apenas uma crítica à sociedade)

Estamos em DCJ (@diariodeconteudojuridico no face) e Divulgando Direitos


3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Concordo demais! Muito bem lembrado doutora, quando diz que

"Foi assim na época de Fernando Collor; os que gritavam contra o corrupto (os corruptos) daquele momento, são os corruptos de hoje; e assim será sempre!"

Afinal,

"As pessoas não serão capazes de olhar para a posteridade, se não tiverem em consideração a experiência dos seus antepassados".

Edmund Burke, que dizem, também ser o autor da frase eternizada por Che Guevara: povo que não conhece seu passado está condenado a repeti-lo.

Por isso que a nós, que somos operadores do Direito, cabe resguardar a lei, a Constituição e a Justiça. Em todo o seu elemento, sem partidarismos. Se hoje sou contra a impunidade de Lula, não significa que ontem fui a favor da impunidade de Aécio. E isso, as pessoas não conseguem entender. E nem acreditar. Ainda assim, eu insisto. Mesmo que não acreditem. Se um acreditar, minhas palavras não terão sido ao vento. Há outra citação que gosto também, atribuída tanto a Burke:

"Ninguém comete erro maior do que não fazer nada porque só pode fazer um pouco."

Então, o pouco que posso fazer, como pessoa, e devo fazer, como pessoa comprometida com o Direito, é defender o Direito, igual para todos. E o faço desde sempre. Desde FHC e outros que antecederam Lula. Minhas opiniões não nasceram no dia em que Lula subiu ao poder. O Brasil e a corrupção, como você bem lembrou, não nasceram agora, com o corrupto da vez. Ele é só o da vez. Outros virão. E enquanto eu respirar, eu sempre me posicionarei contra a corrupção, como sempre fiz. Não adianta pegar um pra Cristo.

Talvez não adiante nem o que nós fazemos aqui. Como no seu artigo sobre o infeliz "jeitinho brasileiro". Como mudar a essência de um povo? Mas eu acho, dra Elane, que gente como nós, ajuda muito a uns poucos desvalidos. Um cidadão comum que venha ao Jusbrasil, desanimado com o Direito e a justiça, em busca de um conhecimento que o ajude em um fato corriqueiro, e tem a oportunidade de ler e verificar que existe vida e anseio de justiça no ambiente da Justiça, já sai de alma lavada. Talvez já não se sinta tão só. E pessoas como eu e você ajudamos nisso.

E eu gosto, particularmente, de ler o que você escreve, porque somos pessoas muito diferentes, e temos princípios diferentes, o que nós duas já sabemos pelo que já lemos uma da outra e pelo que já debatemos uma com a outra, mas temos uma coisa em comum, e isso é o que eu acho maravilhoso: nós somos do tipo que ainda anseia por justiça no mundo.

PS: Sobre a manada, quando eu me refiro a Lula, FHC e Aécio, estou falando deles e suas manadas, é claro. Eles e o staff que os rodeia. Citamos o nome do "cabeça" pra simplificar, mas a coisa toda é complexa. Por isso acho que ninguém sairá de manada nenhuma Dra Elane. Elas se confundem, inclusive. As cercas que as separam, estão avariadas. Só quem não participa de nenhuma, uns gatos pingados, como eu, e acredito, você, pode ver de longe. O estouro. continuar lendo

Bom dia, Dra. Christina Morais
Olha, sinceramente, depois de ler o teu comentário fiquei até com vergonha do meu texto (rsrs).
Super bem articulado e com pensamentos condizentes com o meu (apesar de não tê-los manifestado, num todo).

O meu texto foi redigido, inclusive no lugar errado (não é uma notícia - não percebi e acabei publicando onde não devia; espero que o JusBrasil me perdoe, e se puderem mudá-lo de lugar, seria conveniente e bom ...rsrs).

Por outro lado, tampouco é um artigo - trata-se de uma crítica e ao mesmo tempo um desabafo ao cenário atual. Afortunadamente você, com palavras inteligentes, acrescentou e enriqueceu de forma BELA!

Só tenho a agradecer a sua passagem por aqui!

Tenha um bom dia e um bom restante de semana!
Sucesso, minha jovem Advogada! continuar lendo

Seu texto está ótimo sim. Não há nada de errado em ser passional contra a injustiça. Feio é não se indignar com ela. Você escreveu no auge do sentimento de indignação e isso é um apoio muito maior que você imagina para o homem de bem, que como nós, está indignado e ansiando por justiça e fim da impunidade. Textos como o seu têm um alto valor moral agregado e afastam o pré concebido de que advogados são máquinas sem alma e sem compromisso com a Justiça, preocupados apenas com os honorários. Seu texto mostra que não é assim e isso dignifica nossa classe. continuar lendo