Comentários

(487)
Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
Elane Souza DCJ Advocacia
Comentário · há 20 dias
Exonerado; ....
Demissão são para os crimes previstos na Lei
8429/92 - improbidade administrativa e suas alterações que vão de 2005 até 2018 (há umas 8 o ou 9 alterações) todas falam de como podem ser punidos ou sofrer PA ou PD e quiçá, após prova definitiva, trânsito em julgado, ser Demitido! Tudo com a justa defesa que inata de qualquer pessoa (provar o contrário do que dizem).
Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
Elane Souza DCJ Advocacia
Comentário · há 22 dias
E em Pernambuco, @igorleiters , quando será?
Desses aí nem fiquei sabendo e eu me considero ativa e fã do Portal (kkkk).
Talvez, na Bahia eu até fosse, mas já era, não fui convidada?

Em Recife, certeza que iria, mas aqui acho que só tenho "inimigo", a não ser a Dra. @fatimaburegio e @pauloabreu14 os demais que gostaria de conhecer estão em outros estados como em Minas Dra. @christinam e os integrantes do JusBrasil, como você; @galvomatheus , @rafaelcosta e mais
Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
Elane Souza DCJ Advocacia
Comentário · há 22 dias
Olha, Dra. @christinam , essas 'desgr........ças' não se consertam não! Quando são miséria, miséria serão sempre!

As mulheres, na maioria das vezes, são umas pobres coitadas!
Já estudei bastante sobre o assunto em questão e também psicologicamente falando (que faço estudo livre - não sou especialista) - mulheres que se deixam como vítimas constantes (não eventuais - de um namoro, ou casamento passageiro que acaba e o miserável não aceita e mata, ou mata os filhos e a família dela)....

as vítimas constantes tem outro perfil: são as carentes, as com baixa estima, as que tiveram um exemplo não muito adequado dentro de casa, quando criança; são um chamariz para psicopatas, tóxicos-narcisistas.

Elas sofrem do que os Psicólogos e Psiquiatras chamam de "desamparo aprendido"....desde que nascem veem isso dentro de casa, assim, quando se casam, ou vão viver com alguém acreditam que não adianta - por mais que mude de homem, ou que denuncie, nada vai mudar!

Pense em um cavalo não domesticado, encontre um domesticador e veja o que passa: nos primeiros dias ele esperneia, se debate, não aceita o arreio..., no quarto ou quinto dia ele já está mastigando o arreio porque sabe que não vai adiantar nada se rebelar; uns se acostumam tanto que só de deixarem eles com a corda esticada e encostada em um tronco de árvore eles ficam ali, inertes, porque acham que estão presos e pronto; não dá para fugir - esse é o tal do desamparo aprendido; nas mulheres maltratadas e com mal exemplo desde o berço, acontece o mesmo....; outro exemplo: choque em ratos de laboratório, na porta de saída da gaiola, depois de um tempo, eles deixaram de tentar fugir, entendiam que não adiantava, sempre haveria esse choque, mesmo quando já não havia!

Assim, acredito que não dá para vitimar as vítimas duas vezes (acontece isso quando vão em delegacias não especializadas em Violência doméstica); a vitimização secundária da Criminologia também explica isso - esse é um dos males porquê muitas mulheres também não denunciem, ou se denunciam acreditam que serão motivo de chacota porque continua com o homem - elas precisam ser amparadas e tratadas; eles PRESOS!

Mas, há casos e casos; os últimos mediáticos foram de mal exemplo de mulheres que fizeram denúncias falsas contra seus maridos. A do Neymar e a ex-paquita, por exemplo....;
acho que investigar a fundo e dar apoio às que são vítimas natas (ou seja, vítima carente - que não trabalha, que depende, que tem filhos pequenos, que é idosa, que tem alguma deficiência; que tem problema psicológico, etc).

Enfim, essa é a opinião de quem gosta da Lei em questão, acha funciona bem quando há profissionais adequados por trás, e que trabalhou com ela desde a sua criação somando 6 anos; agora só estudo e publicações em defesa!
Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
Elane Souza DCJ Advocacia
Comentário · há 22 dias
Muito bem Dra. @fatimaburegio , boa lembrança e 2011 parece que foi ontem, né?
Só passando para lembrar que amo o assunto e por isso estou 'ROUBATILHANDO' , grudando lá na page do face Diário de Conteúdo Jurídico.
Beijos
Bom final de semana para ti
Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
Elane Souza DCJ Advocacia
Comentário · mês passado
Gostei muito desta parte, aliás, só gostei desta parte:
"O estado, vez que assumiu o papel de fornecer o mínimo de subsistência e segurança social, a troco de massivos impostos sobre todos e tudo, precisa fazer sua parte".
(O MÍNIMO EXISTENCIAL DA
CONSTITUIÇÃO não existe);

A SOCIEDADE precisa agir?

Precisa - claro! Mas os altos impostos e altos salários dos políticos, as ajudas infindáveis para os parasitas (novamente da política) poderiam ser investidas na população carente; por outro lado, essa mesma população carente poderia fazer controle de natalidade (pelo menos isso existe);

Não romantize trabalho infantil - trabalho é para adulto; criança nasceu por causa de um prazer adulto, o mínimo que os pais devem fazer é sustentar a CRIA com dignidade!

Sou filha de roceiro (pai de 5 filhos), gente muito pobre em MT; aos 9 nos fui, com a família, para a capital Cuiabá - infelizmente, meus pais não tinham como fazer controle de natalidade - meu pai e mãe quase analfabetos e na roça; após estar na cidade rapidamente minha mãe aprendeu a controlar natalidade e não teve mais nenhum filho...., mesmo assim, para sustentar os 5 filhos, 3 deles, os mais velhos (eu, uma delas) tivemos que trabalhar fora ainda criança (dentro de casa era sempre).

Refeições no máximo 2 e meia e olhe lá - digo isso, porque independe da hora a comida era sempre a mesma!

Felizmente meus pais, apesar de nos colocar para trabalhar, também nos "obrigava" estudar (a isso dou graças)....

Então não me venha com 5 refeições aqui nos comentários que vc parece não saber nada de ser pobre e trabalhar quando criança!
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres
Fale agora com Elane
(81) 99620-...
Ver telefone
(81) 3048-...
Ver telefone

Elane Souza DCJ Advocacia

Entrar em contato