jusbrasil.com.br
14 de Novembro de 2019

Somos o mais valioso "produto de consumo", mas nós gostamos!

A inspiração para escrita do texto abaixo veio a partir de uma leitura 'antiga' (2 anos, mais ou menos), quando uma Juíza afirmou que as mulheres eram produto do estabelecimento

Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
há 7 dias

A afirmação prescrita no título desse texto nos remete ao seguinte raciocínio:

Compramos, fazemos checkup em consultórios médicos e laboratórios, baixamos o livro grátis ou pago que o site tal nos oferece mediante inscrição; recebemos 'presentinhos insignificantes' no supermercado, loja ou site, fazemos checkin, via wifi grátis (com cadastro prévio no Aeroporto) para dizer onde vamos ou estamos, tudo isso e muito mais (que não foi citado) mediante apresentação de nossos endereços virtuais e/ou físico, telefone, redes sociais como Instagran, WhatsApp, Facebook, Twitter e tantas outras que existem; sem falar na obrigatoriedade da apresentação do número de CPF (sem ele, não há desconto), como ocorre na maioria das farmácias e supermercados.

A partir disso passamos a ser "vítimas" de uma enchurrada de publicidade virtual, relatório de atendimento para avaliar, oferta de produto que a base de dados cruza e entende que é do seu interesse; não esquecendo, todavia, dos que recebem seus dados e revendem ou dos que procuram dados para comprar, ou dos que entram em uma grande Plataforma de assuntos direcionados (como o JusBrasil - direcionado ao Direito) e literalmente 'roubam' dados; neste último caso é mais fácil que tomar pirulito de criança - aqui, os dados em questão seria apenas o email, redes sociais e telefone (FELIZMENTE, neste Portal, não há como roubar o CPF do inscrito, já que não está exposto ou sequer se necessita fornecer quando cadastramos - se é que me recordo bem).

O fato é que somos vítimas e produto deste novo mundo, já não tão novo assim!

No meu tempo de Discoteca (isso denota idade 😁😀), anos 80, mais ou menos, as mulheres já entravam de graça ou pagavam menos, ou bebiam de graça - algum "benefício" sempre era dado a elas como chamariz! Felizmente, isso não 'me pegou' muito porque posso contar nos dedos as vezes que estive em um Discoteca/boate, ou sei lá como chamavam!

Preferia jogar handbool, futebool, fazer Karatê e, é claro, namorar escondido; a noite, dos finais de semana, para sair de casa meu pai ordenava que voltássemos às 22hs, quando tudo deveria estar começando (mesmo que fosse a um casamento ou aniversário), acaso não voltasse ele ia buscar e era 'bafão' na certa!

Assim preferia não ir - também eu era a chata da turma: não gostava de som alto, gente em cima de mim, meus pés doíam por ficar em pé (com salto alto), não bebia nem bebo, dançava e danço mal até hoje, o que fazer em uma discoteca?

Nas festas só ia pela comida e o bolo - torcendo para que fossem servidos antes das 22 horas (rs)!

Com relação 'as Disco', fui informada por amigos daquela época que, desde então mulher já tinha algum 'plus' para frequentar clubes, discotecas ou como quer que a chamavam!

Por fim, mas ainda sobre sermos produto do meio, fiquei com uma dúvida que não me sai da cabeça, isso desde que li a declaração de uma juíza de Brasília:

"Mulher Isca": Empresário que oferece entrada gratuita, bebida de graça ou entrada de menor valor para mulheres está tratando elas como produto do estabelecimento - por Caroline dos Santos Lima - SEJUSC - Brasília.

- Mulheres, especialmente você que é feminista/extremista e frequenta balada, já pensou nisso?

Já pensou que você está entrando de graça para o estabelecimento chamar homem e ganhar com o que eles gastam? Que estão usando você? Que se a bebida for grátis (para vocês) os clientes pagantes (os homens) terão maior possibilidade de "pegar vocês bêbadas", fazer o que quiserem, mesmo sem consentimento?

Não falo por mal, apenas vejo como o ser humano pode ser oportunista e sádico; especialmente se estiver em "manada" (vide caso na Espanha - de uma manada que atacou uma menina embriagada, mas só por estar assim o (a) Juiz (a) não considerou estupro, apenas abuso - afortunadamente, a Fiscalía recorreu pela repercussão, pelos protestos - foi ao Supremo de lá e parece que serão condenados por Estupro)! Aqui, no Brasil, então, quantos já atacaram uma única 'presa em manada'? É só abrir os jornais; citei España porque ainda é um país meio respeitador, com mais consideração pelas mulheres que aqui!

Lembram do maldito ditado? "....o de bêbado não tem dono"? Eu continuo achando que tem; todavia, nem todo homem que vai a balada, paga caro para dançar e curtir, só quer isso - alguns ( felizmente são poucos), querem muito mais, e se tiver que ser com uma embriada, inconsciente, será!

Pensem nisso!

Finalizando e questionando o fato de todos sermos produto do meio

A questão é: como nos livrar da cilada que é fornecer todos nossos dados para o comércio e mundo virtual? - Quase impossível, não é?

Afinal, a maioria dos estabelecimentos só vendem se você fornecer os dados - um seguro de carro e mesmo o carro é algo que não se compra sem o fornecimento dos dados principais (CPF, RG, endereço físico, conta bancária, etc); mesma coisa uma casa, uma moto, um avião, um Yate e até uma bicicleta, quando comprada com boleto da loja.

Estamos expostos e não há praticamente nada que possamos fazer! Legal ou não; justo ou não, não sei - quiçá vivessêmos isolados no meio da Floresta Amazônica..., Haaa, não, péra! O IBGE ia acabar nos encontrando e contando, para constar na estatística; nos obrigaria a ter um número de identificação, ou não teríamos direito a um nome e um túmulo!

- Tá, mas e daí? Quem decidir viver assim pouco estará se importando com nome, número e túmulo! Queima e joga as cinzas na floresta - só que não né?

Ninguém se habilita, a não ser o próprio povo isolado da Floresta (os indígenas); na verdade, todo mundo gosta é de SER e APARECER - veja o caso das redes sociais; quem não aparece adoece, se sente invisível para o mundo, então o jeito é continuar dando nossos dados e correndo riscos ou, na melhor das hipóteses, tendo a sorte de nunca ser envolvido em nada mal!

Direito ao esquecimento? Sim, temos esse bonito direito, mas não o do Estabelecimento esquecer seu CPF. Sem apresentá-lo para o mercado de consumo você praticamente não existe, não consome, não vive!

👀👉Por um mundo onde os estabelecimentos respeitam os clientes: que não venda dados, não compre dados, trate mulher e homem da mesma forma (cobre ou não de todos); lutamos por isso (ter direitos iguais) - então merecemos e devemos suportar que tudo nos seja fornecido ou tratado, do mesmo modo que ao homem!

Quem quer o bônus, deve suportar o ônus!

*OBS.: Terminando de escrever este texto encontrei esta reportagem que até me arrepiei de tanto que ela vai ao encontro da linha de pensamento exposta no meu artigo: Byung-Chul Han: “Hoje o indivíduo se explora e acredita que isso é realização”O filósofo sul-coreano, um destacado dissecador da sociedade do hiperconsumismo, fala sobre suas críticas ao “inferno do igual”.

Por Elane F. de Souza

(Advogada, Autora dos blogues Diário de Conteúdo Jurídico, e Divulgando Direitos.

Agora com a Rádio Cotidiano Diverso FM web e aplicativo

Nosso canal do YOUTUBE aqui!

Imagem/créditos: pixabay grátis Autor aqui

Estamos também com fã page de DCJ no facebook AQUI


0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)