jusbrasil.com.br
19 de Janeiro de 2021

Grupos de Advocacia Correspondente: consulta grátis e muita intriga

Senso de realidade não 'mata', porque você enxerga e, se quiser, corre atrás do prejuízo; pensamentos positivos acompanhados de prostração sim!

Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
há 2 anos

"Livros e textos de auto-ajuda só ajuda quem escreve" (livros dão DINHEIRO; textos - LIKES e COMPARTILHAMENTO); assim que, sejamos fracos: quem ainda não enxergou o 'escuro que é o fundo do poço', ou quase isso na Advocacia correspondente, está precisando de óculos e senso de realidade!

Até parece que os Profissionais querem só o nome e o falso status que é ser Advogado; quando, muitas vezes, uma Diarista ou Empregada Doméstica ganha mais!

No final de 2017 eram 988.771 Advogados inscritos na OAB com estimativa de chegar, em 2018, a 1 milhão de Advogados.

Quantos somos agora?

Não encontrei fontes, mas estamos em 2019, pós a estimativa 'sombria' dos 1 milhão de Advogados em 2018.

Então, como não perceber que estamos passando por dias difíceis e ainda assim segue existindo, abrindo, e não fechando cursos de Direito?

Quando era criança, há muitos anos, sonhava em ser piloto da Força Aérea Brasileira; no entanto, era mulher e muito pobre! O principal fato era ser mulher; naquele tempo mal se aceitava mulher e quando aceitava era só no exército brasileiro (muito mal, como enfermeira). Como poderia, eu, mulher, chegar a ser piloto da FAB?

Algo parecido deveria se passar com a Advocacia. Enquanto houver essa quantidade absurda de Advogados no mercado, que não se abra mais cursos; termine os em andamento e dê um tempo!

Muitos jovens irão sofrer pela impossibilidade de fazer o 'curso dos sonhos', mas sobreviverão! Há muitos outros cursos belos que se fosse em meus dias de juventude, pensando como penso hoje, sequer cogitaria o Direito. Sobrevivi!

Sofri por ser mulher e não poder fazer o que queria: alistar -me na FAB; trabalhava no aeroporto e tudo àquilo de aviação me fascinava; mas não podia porque era mulher; quando chegou o tempo e a permissão para 'alistamento feminino' - ou seja, a possibilidade de fazer curso no ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) para entrar na FAB e por fim ser engenheira-piloto (como mulher, nível superior) eu já era velha demais!

Mas foi bom; como dizem os religiosos: "tem males que vem para o bem"; hoje detestaria ter escolhido ser militar, exatamente como me arrependo em ter escolhido Direito.

Acredito que a minha 'ADULTEZ' só chegou aos 30 anos; pois só a partir de aí comecei a ver, de verdade, o que queria da vida.

*o mesmo artigo pode ser lido aqui

Tenho em mente que tudo de errado e mal deve ser punido, esse talvez seja um dos fatores que não me dei tão bem na Advocacia - mas, o contrário do que falo, os antigos clientes dizem que eu sempre fui ótima (atenção ao cliente, pontualidade, respeito, e empenho, até a última gota de suor, sempre foram minhas prioridades enquanto atuei e quando, eventualmente atuo); agora só com Direitos Humanos e Direito de Família.

O Penal é minha paixão e especialidade, mas quase sempre os clientes estão envolvidos, assim que prefiro me abster de defender culpados, especialmente quando há dolo na conduta.

Esse é o tipo de Direitos Humanos em que me preocupo. Criminoso pagar pelo que fez conforme a lei - por mais que o mal seja repugnante há que cumprir pena de prisão, nunca de morte.

A pena de morte (que muitos torcem para existir) e o linchamento público é ainda mais repugnante que a conduta do criminoso! Sem falar que quem pratica linchamento, CRIMINOSO É!

MAS, RETORNEMOS AO "FUNDO DO POÇO" DOS CORRESPONDENTES

Estou inscrita em diversas páginas de correspondentes apenas para compartilhar meus artigos e com eles meus links de afiliado e produtora (confesso); mas também é uma fonte inesgotável de temas para, posteriormente escrever, e até rir um pouco!

Com isso, acabo tomando conhecimento do que se passa dentro delas.

Pessoas que não são Advogados, tampouco estudantes entram para fazer consulta ou tirar dúvidas do diaadia; sempre sem pagar nada.

Os que realmente são Advogados, e estão alí em busca de trabalho de correspondente, acabam fazendo a consulta grátis e postando seus telefones para contato.

É uma eterna briga! Dos que fazem de graça com os que NÃO fazem!

Postagens de colegas reclamando disso e postagens de colegas falando dos preços irrisórios que são oferecidos pelos seus pares; alguns reclamam, inclusive de calote ou de receber a 'migalha' contratada após um mês de trabalho!

Engraçado que o cliente Adv. quer o trabalho já; mas o pagamento por ele (realizado) não!

UM APELO:

Caros colegas, profissionais estabelecidos; um pouco de respeito com seus pares, um pouco de empatia; talvez você nunca esteve na condição dessas pessoas (Correspondentes jurídicos); mas se fosse contigo, essa injustiça?

Seguramente não estaria satisfeito, e com razão, pois justo não é!

Os colegas correspondentes precisam fazer de 8 (oito) ou mais diligências por dia para ganhar algumas migalhas - tenham um pouco mais de empatia!

Por outro lado, também devo fazer um APELO ao Conselho Federal da OAB - fiscalizem, por favor!

Não deixe que grandes ou pequenos escritórios suguem seus pares que apenas querem trabalhar.

Para fazer algo bem feito há que empenhar. Um questionamento: quem faz um bom trabalho correndo de um lado para o outro o dia todo, sem ler os processos, sem conhecer partes, sem saber detalhes profundos que envolvem as causas?!

Não conheço!

Trabalhe menos e farão perfeito - essa é a dica para quem paga mal e exige muito!

Essa correria de um Fórum, Delegacia, Tribunal a outros órgãos é trabalho semelhante aos antigos oficie-boy. A pessoa sequer sabe o que está fazendo (que me perdoe os oficie-boy)..., apenas faz; é automático; como um entregador de encomenda!

ATENTOS: nessas páginas que citei há 'infiltrados' que realmente agem só como oficieboy, pois não são Advogados, nem estagiários, por isso não podem fazer mais que ser prepostos com procuração de cliente ou administrador de empresa e tirar alguma cópia em cartórios ou outros órgãos; nunca de Processo em Tribunais, Fóruns e Delegacia!

Para agir assim não precisaria ter feito Direito, concorda comigo? O exemplo está aí no parágrafo anterior (gente que faz e sequer é Advogado). Sairia mais barato e não reclamariam nos grupos das redes sociais!

Espero e torço muito para que essa situação mude para melhor - torcendo por todos os colegas que necessitam estar nesse caminho para sobreviver!

Por Elane Ferreira de souza (Advogada não atuante, Administradora dos blogs D.C.J, o Divulgando direitos e a pág. do facebook + o canal no youtube).

Fonte: a única já está lincada no texto

Foto/imagem: Pixabay grátis editada por Elane Souza D. C. J

15 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Na minha experiência decana já constatei que consulentes que não pagam consulta também não contratam os serviços. E isso é fato. Muitos até já têm a indicação de um ótimo advogado, a quem pretendem despender seus recursos em troca da defesa de seus interesses, e procuram por aí segundas e terceiras opiniões apenas para investigarem se seus investimentos estão mesmo seguros, ou seja, pra ver se a linha de pensamento do advogado que realmente RECEBERÁ HONORÁRIOS se coaduna com a de seus pares. Querem saber se estão no caminho certo e querem saber de graça. Eu não atendo mais consultas grátis. Apenas para clientes que veem tirar dúvidas sobre outras causas e eu tenho a confiança de que caso decidam ingressar com a ação irão me contratar. E eu sei disso porque após serem meus clientes numa primeira causa, me procuraram de novo para defendê-los em outra e também enviaram outros clientes. Então são pessoas que fazem parte da minha carteira de clientes. Paraquedistas surgidos do nada, não arrancam de mim uma palavra sequer, a menos que marquem um horário comigo no escritório já cientes de quanto custará a consulta, e que eu cobrarei por ela. Fora isso, não tenham medo de dizer não. Como já comentei em outro post da dra Elane, se o cliente não paga, não é cliente. E consulente é cliente de consultoria, portanto, tem o mesmo dever de pagar que têm os clientes contratados para atuar no processo. Só falta uma coisa para que a farra dos consulentes gratuitos suma do mapa: coragem por parte da classe em dizer não. Simples assim. Eu já tomei essa coragem há muitos anos e não me arrependo. continuar lendo

Parabéns Dra. @christinam .
Obrigada por comentar.
Sucesso! continuar lendo

Parabéns colega Christina! essa resposta somente os anos de sofrimento que a advocacia proporciona para o indivíduo pode ser sintetizada com tanto acerto. Também, somente o tempo proporciona a segurança para por fim à relação de abuso entre determinadas pessoas, sedizentes clientes, e o advogado. Para por fim basta falar em honorários, é simples! falou que consulta avulsa ou consulta na qual o trabalho se exaure na própria resposta, é cobrada, acabou! pode criar um certo constrangimento, mas faz um bem danado! Tem pessoas que são como vampiros sugando nosso tempo, consulta grátis, só no Google. continuar lendo

Participo de diversos grupos de correspondência e realmente tudo o que foi descrito no texto acontece. Muitas pessoas que não querem pagar uma consulta se passam por advogados e fazem perguntas diariamente, parece que o leilão nunca acaba. É muito triste ver que a classe da advocacia é desunida, parece existir uma divisão que poucos percebem, existem os advogados autônomos que estão satisfeitos com seus resultados e crescem cada dia mais, os que trabalham em grandes escritórios e são explorados diariamente e nem assim se importam com o resto do mundo e finalmente os advogados que vivem de migalhas, realizando consulta gratuitamente e criando uma nova espécie de advogado aos olhos da população. Claro que toda profissão tem problemas, mas a advocacia parece estar em um limbo e a oab simplesmente "deixa o barco correr". continuar lendo

Boa dia cara colega,
Exatamente isso (você também falou tudo).
Obrigada pela participação!
Tenha uma semana de sucesso!
Abraço continuar lendo

o Principal site de correspondentes por si só, em seu nome reflete a realidade de quem é contratado: MIGALHAS.com.br

Faz tempo que não renovei mais, pois não vale a pena ! continuar lendo

Os próprios sites de correspondentes jurídicos não deveriam permitir anúncios de diligências abaixo das tabelas da OAB. São coniventes aos abusos praticados pelos grandes escritórios contra os jovens advogados em início de carreira. Fazer audiência por R$20,00 é melhor fazer pro bono pra ganhar experiência... continuar lendo