jusbrasil.com.br
26 de Fevereiro de 2020

Artigo 7º, incisos II, IV e V da Lei Maria da Penha e os Psicopatas Integrados!

Elane Souza DCJ Advocacia, Advogado
ano passado

Para as pessoas que são extremamente religiosas ou apenas religiosas, entenderão o que passarei a discorrer!

A Violência doméstica, quando é moral, psicológica e/ou financeira*, nos destrói de dentro para fora! Nos perdemos de nós mesmos (as), deixamos de ser quem somos, nos transformamos em uma casca vazia, ou algo parecido a um zumbi ou morto vivo!

(*Lei Maria da Penha - 11.340/2006, artigo 7º, incisos II, IV e V).

Somos manipulados de tal forma que costumamos dizer a nossos Terapeutas, pessoas da família ou muito próximas (só a elas, e, às vezes só ao Terapeuta, por vergonha), que não somos mais quem éramos, somos um 'saco' vazio!

A droga pela qual nos viciamos é um outro ser humano, todavia perverso, sem empatia ou remorso!

Esses seres alegram-se em nos ver sofrer - só assim conseguem o suplemento felicidade e satisfação pela vida ((eles (as) não tem isso e nunca tiveram)); precisam de alguém que tenha muita vitalidade e empatia, mas que seja vulnerável, demasiado empática e bondosa. Essas são as vítimas perfeitas para os Psicopatas com Transtorno de personalidade Narcisista.

A toxicidade que emana, nos adoece! É comum que pessoas que convivem com narcisistas (homem, mulher, trans, gays - independe da sexualidade), acabe com depressão, síndrome do pânico e até com vontade de por fim a tudo (às vezes põem)!

*Você pode ler este mesmo artigo AQUI, com outro nome.

Algumas vítimas quando, por fim são descartadas (os) (porque, descartá-los (las) é bem mais difícil - eles (as) não deixam; perseguem, e nos "bombardeiam" com seu falso amor); assim, novamente caímos em suas garras. Será um recomeço ainda pior que a conviência anterior (é o tal do 'gasligthting'*, ou luz de gás em espanhol; em português ainda não há uma tradução, mesmo que literal para a palavra).

*Este filme AQUI (antigo), mostra como é realizado o 'gasligthing', no caso em questão é 'estilo' financeiro e psicológico!

Quanto mais saímos e voltamos, mais sofremos!

É como um vício em qualquer droga. "QUANDO CONSEGUIR SAIR FORA NÃO DÊ NOVA CHANCE - CONTATO ZERO OU PEDRA GRIS*" (é o conselho mais dado por especialistas).

*Veja AQUI conceito (comentários) sobre a pedra gris na Psicologia!

Quem faz tratamento e participa de grupos de ajuda contra alcoolismo a regra é: não dê o primeiro gole!

Quem sofre com narcisistas é a mesma coisa: não volte a falar, a receber mensagens e responder, bloqueie (é melhor); se puder fuja para outro Estado ou país! Não dê abraços, nem beijos, tampouco volte a fazer sexo; não se sucumba aos encantos malignos dessa criatura sem remorso ou voltará a ser manipulada de forma ainda mais cruel, porque ele entenderá que você é mais fácil de manobrar do que pensava: "é só lhe dar um agradinho, um carinho falso, que você cairá nas garras dele (a) novamente"!

Os especialistas no assunto dizem que, ao longo da vida, todos nós teremos algum contato com essas pessoas porque são muitas espalhadas pelo mundo (cerca de 3% a 7% da população é assim); sem falar que muitos de nós temos alguns traços, mas não somos exatamente pessoas com transtorno narcisista: temos empatia, amor e remorso!

*Vampiros emocionais - você já ouviu falar deles? Saiba mais aqui!

No entanto, esses 3% a 7% são demasiados! Você poderá encontrá-los no trabalho, na família (e muito), na escola, na igreja (bastantes) e na política (demasiados).

O mundo está repleto e não é difícil que você acabe cruzando com um e se encante por ele (a) - daí, para cair nas garras e se transformar em casal (vítima), é um passo!

Por outro lado, não é incomum que pessoas, filhos de pai (s) narcisistas e violentos se tornem presas fáceis! Parece um imã; gente que já sofreu na "mão de uma mãe ou pai narcisista" também atrai maltratadores!

Conheço uma família assim: 3 de 7 filhos (as) vivem com narcisistas e não conseguem se desvencilhar. A que tem 3 filhos vive há mais de 23 anos assim - felizmente é a mais forte das três; ainda segue em pé e está 'aparentemente' saudável da mente! Mas, até já o denunciou por perseguição e violência psicológica!

As demais, todavia, não são tão altivas e fortes como a primeira!

Uma está muito deprimida e a outra adoeceu bastante e está com stress até o"topo"- lamentavelmente, a "droga que consomem" é de uso constante; para conseguir sair só com muita terapia, antidepressivos e ajuda de familiares e amigos próximos!

O sofrimento causado por Tóxicos Narcisistas (Psicopatas integrados) é como o Transtorno do estresse pós-traumático! Sair disso só com tratamento prolongado (de 2 ou mais anos); se a pessoa regressar com o agressor o Terapeuta terá que recomeçar o tratamento do zero!

Não tenha pena, nem faça pouco caso do sofrimento alheio, tampouco desdenhe de quem sofre por AMOR ZERO (Amor Zero é o título do livro de um especialista no assunto; um espanhol de nome Iñaki Piñuel); ele só trabalha com vítima de "amor zero" e acoso escolar (ou seja, bulliyng).

Esses dois tipos de vítimas são tão traumatizadas que podem realmente por fim a suas vidas - passam a ver a vida de forma distinta; os pensamentos são disfuncionais; só com uma boa Terapia (Terapia Cognitivo-Comportamental - TCC) a pessoa quiçá possa voltar a ser quem um dia foi.

Obs.: segundo Iñaki Piñuel não há complementário (o), isso é um erro de interpretação que muitos psicólogos fazem ao tratar a vítima como se ela fosse complemento (que ela tem parcela de culpa) - revitimização - é como você denunciar um estuprador e o Delegado, Juiz ou Promotor questionar o seu comportamento, local onde estava ou vestimenta.

O assunto tratado aqui são a descrição das vítimas de Psicopatas Narcisistas, os com Transtorno de Personalidade Narcisista; são àqueles 3% a 7% da população que citamos; NÃO SÃO os que comem pessoas, cortam cabeças, grelham bochechas e guardam cérebros em geladeira como nos filmes; estes últimos são outro tipo de gente (neste caso 1% a 3% da população mundial) - pessoas realmente perversas e assassinas; tudo devido ao desenvolvimento, à formação cerebral!

O desenvolvimento intrauterino de um psicopata do parágrafo anterior houve uma anomalia, uma redução de matéria cinzenta e o córtex pré-frontal, os polos temporais nunca se ligaram (é como um bebê que tem àquela coisa que chamam de 'moleira'), quando crescem um pouco ela se fecha e, é claro, o crânio endure.

Nos Psicopatas que "matam pessoas de forma cruel, uns até comem suas vítimas", essa moleira nunca se fechou, só o crânio enrijece (como é lógico) - esta é uma explicação não científica, mas de fácil entendimento. (acaso bebês entendem de moral, de comportamento social?). Assim são os psicopatas, que crescem, vão à escola, a família às vezes ensina, aprendem sobre o bem e o mal ao longo da vida, mas não se importam com o isso. Estando bom (estando bem) para eles, fazendo-os felizes é o que importa - os demais seres que se danem!

Fazem o que fazem, agem como agem, devido à falta de remorso, falta de empatia, falta de amor; entendem de punição, mas tampouco se importam (o ego é tão desenvolvido que acreditam que nunca serão pegos em flagrante ou encontrados), e o instinto é fazer o mal pelo prazer que dá!

Os psicopatas integrados são mais 'toleráveis'; no entanto também "matam" suas vítimas, desta feita de forma lenta, via tortura psicológica, moral e/ou financeira!

Meu conselho?

Quando encontrar alguém encantador demais, perfeito demais; a tal "alma gêmea", desconfie e fuja! Ninguém é perfeito, devemos estar cientes disso para não cairmos em armadilhas como as que caíram as três mulheres citadas acima, e também citadas (com mais detalhes), em nosso e-Book.

Todo o relatado é crime, se você for mulher e sofrer nas garras de um manipulador narcisista, procure a delegacia da mulher e depois busque um Advogado ou Defensoria Pública e peça afastamento (ordem de alejamento (afastamento) do cônjuge agressor); se houver filhos aja para que, apenas eles, tenham contato com o pai - procure uma pessoa de confiança para entregá-los e recebê-los de volta após visita (a palavra de ORDEM É: não se acerque mais a esse ser ou ele voltará a te manipular, a te sugar como um vampiro que é).

Lamentavelmente, se a vítima for homem (e eles também sofrem) não há uma Lei "José da Penha" para defendê-los, mas violência é sempre violência - busque ajuda judicial e psicológica para sair dessa relação doente e vá ser feliz com quem te ame de verdade (ou fique contigo mesmo - ninguém te amará mais que tu próprio)!

Se não conseguir abrir o vídeo abaixo, CLIQUE AQUI!

A Lei Maria da Penha, que citamos acima, foi modificada pela Lei 13.772, de 2018).

Por Elane F. de Souza (Advogada não atuante, Blogueira e atualmente ativa no canal do youtube - aqui).

Também estamos no facebook com fã page, veja AQUI.

Fontes: já inseridas no texto via links

Crédito das imagens: pixabay grátis

5 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Gostei do texto, nas religiões de base judaico cristãs o amor é uma consequência do sacrifício, seja a demanda de sacrifícios remissivos, por exemplo perdão dos inimigos e caridade, ou o sacrifício do próprio deus no caso do Cristo na cruz.

Me chamou a atenção de maneira positiva que você relacionou a concepção religiosa do pecado com a sensação da vítima de ter um verme que a consome por dentro e no final resta apenas a casca. O Sádico e o Masoquista ambos se consomem na relação de forma tal que para se atingir níveis mais elevados de prazer é também necessário atingir níveis mais elevados de destruição, no masoquista a destruição física se complementa à destruição dos sentidos e no sádico há apenas a destruição dos sentidos, ele é cada vez mais insensível é como se o mundo do sádico fosse sendo consumido pelas trevas e a unica luz que encontra é na dor que provoca. Como um drogado que para sentir o prazer precisa de drogas cada vez mais fortes.

A concepção de prazer e pecado na lógica religiosa ocidental segue o mesmo sentido, quanto mais se peca mais a vida se torna o pecado e fecha o indivíduo para o seu completo potencial de realização humano, quanto mais ele usa droga menos humano se torna, quanto mais ele bate na esposa... quanto mais ela seduz o vizinho... quanto mais... quanto mais... quanto mais o prazer o maligno se torna presente mais nos tornamos um saco vazio.

Também gostei do ultimo parágrafo em que não deixou de mencionar que na prática não somos todos iguais perante a lei. continuar lendo

E eu gostei muito do seu comentário; obrigada pela contribuição valiosa!
Sucesso para ti! continuar lendo

Olha... Eu nunca vi na prática essa tal lei funcionar. Sim, existem casos de sucesso. Isolados. No geral, não. E mais: não é só na relação amorosa que os abusos ocorrem. Existem abusadores em todos os tipos de relação onde um tenha uma posição de poder sobre o outro e se sirva disso para abusar. No amor, é o que ama menos que está no controle. No trabalho, é o superior hierárquico ou até mesmo um sócio que nem precisa ser o majoritário, mas é abusador (já estou com dois casos assim). Na escola, o professor. Em casa, pode ser um pai, mãe, irmão mais velho. Na sociedade, um amigo falso, que percebendo uma mínima fragilidade no outro, se apodera do outro, fazendo-se presente e necessário, até que por fim, a pessoa se descobre manipulada por um aproveitador. Na igreja, um orientador espiritual, e por aí vai. Todos eles têm as mesmas características psicopatas, como sadismo e perversidade. E a relação tóxica durará quanto tempo a vítima se permitir abusar, porque esse tipo de gente não tem noção de tempo.

Dito isso, que é só uma impressão pessoal minha, sou contrária à qualquer ideia de divisão de grupos na sociedade e acho mais improdutivo ainda que essas divisões abranjam a seara penal. Acho que as práticas que levam ao abuso contra a mulher não se devem à condição da mulher e sim do agente. E pessoas com a mesma psiquè podem fazer suas vítimas entre filhos, alunos, subordinados, irmãos, amigos. A culpa é do agente. Por isso, deveria haver um tipo penal genérico para qualquer tirania psicológica contra "alguém". Ex.: Abusar de alguém com maus tratos verbais e psicológicos. Pena - x. Causa de aumento de pena - A pena será aumentada de um sexto a um terço se: § 1º. se a vítima é parente próxima, assim considerados: cônjuge, ascendentes, descendentes e colaterais de primeiro grau. § 2º. Se a vítima é menor de 14 anos ou maior de 60 anos, etc... Agravantes - A pena cominada será computada com aumento de um sexto se o abuso resultou à vítima transtornos psicológicos diagnosticados; em um terço se o transtorno de que trata o inciso anterior resultar em internação em instituição psiquiátrica; em dobro se resultar em suicídio; em tanto se resultou em prejuízos financeiros graves; e assim por diante. Ah, mas e se desse abuso resultar outros crimes contra a liberdade sexual (o que é bem comum nesses casos). Bem, o art. 71 do CP já resolve a parada. Não precisa inventar mais moda. Um parágrafo também que o crime será de ação penal pública na hipótese do inciso tal (o do suicídio, lógico, morto não representa). Ou nesse caso poderia sim ter um tipo específico na parte dos crimes de ação penal pública, como "induzimento ao suicídio resultante de maus tratos verbais e psicológicos (daí seria o mesmo conjunto probatório do outro crime, porém, para fins de ter como titular o MP). É só o esboço de um pensamento, lógico que haveria de ser lapidado, mas é uma ideia a se pensar.

Outra vantagem da proposta acima, é que o agente responderá por tantos crimes quanto forem as vítimas da mesma conduta, pois na grande maioria dos casos, não é só a mulher quem sofre, mas o filho pequeno, os pais da mulher, na verdade até cachorro, e eu bem que li recentemente na página do escritório Lellis e Facture Advogados algo nesse sentido, sobre a violência doméstica afetar também os animais de estimação. Assim, ele responderá pelo tipo penal contra a mulher, contra o filho, contra os sogros e todos que possam provar que sofreram direta ou indiretamente com o abuso direcionado à vítima principal. E, eventualmente, ainda poderá recair uma ação também por maus tratos a animais. A conduta penal que hoje seria uma só ação penal inócua da mulher contra o homem, esse mesmo agente, e pela mesma conduta, poderia responder uma ação penal representada pela mulher, pelo filho pelos sogros e até do MP, em caso de cachorros afetados, ou do resultado em suicídio, olha... Dá pra dar uma bela dor de cabeça pro bandido deixar de ser besta viu. E vai me desculpando o termo que vou usar, mas acho sim que aí"come cadeia". De verdade. Pelo menos aumenta as chances da justiça sendo feita, com tantas vítimas legalmente titulares da ação penal pela mesmíssima conduta. Além disso, se coadunaria mais com a realidade, porque na realidade, o homem que abusa de uma mulher, ele afeta muita gente em volta dela. E o mesmo quando se tratar de abuso no local de trabalho, na igreja e outras situações acima citadas. Pois como eu disse, reforço: não acredito que seja a condição de gênero da mulher que enseja esse tipo de crime, mas a condição do agente. Ele é psicopata (o que não é doença para alegar insanidade, mas isso seria tema para longo artigo médico). Em geral o homem que abusa da mulher, quando solteiro, abusou da mãe, de uma irmã. A mulher pode ser apenas a vítima mais fácil e para encobrir seus rastros, ele pode se passar por boa gente no trabalho, etc. Mas não há nenhuma diferença entre ele, que escolheu a esposa, e outro que tenha escolhido uma empregada, genitora, etc. São predadores. Escolhem uma vítima no rebanho e pronto. Mas o problema é ele. Não é a mulher. Sem falar que mulheres também abusam psicologicamente de maridos e filhos. Embora esse traço de psicopatia afete mais homens que mulheres, não deixam de afetar algumas mulheres, que poderiam sofrer as mesmas duras penas pela mesma natureza de crime cometido contra suas vítimas: a "melhor amiga", o marido, o pai dela ou um filho.

E por que eu comento dessa forma? Porque o que eu tenho notado nos dias atuais é que quanto mais a sociedade é dividida em grupos distintos e esses grupos são transformados em pautas para políticas públicas, maior a incidência justamente dos crimes que se visa inibir. Isso tem sido assim contra a mulher, contra o racismo, contra a homofobia e o diabo a quatro. Tem sido um tiro no pé. Estamos vivenciando um colapso total dessa divisão de grupos dentro da sociedade; e até o presente momento, a meu ver, só tem gerado o aumento do ódio e da intolerância. A coisa simplesmente não está funcionando! Da forma como penso, em vez de separar grupos, uniríamos grupos: proteção indistinta à mulher, à família, à criança, ao idoso, e até aos animais. Isso uniria e a união é que faz a força. Como está hoje em dia, todos contra todos, grupos vitimados distintos, cada qual lutando por seu lugar, cada qual gritando "minha pauta é mais importante que a sua"... Humm... Repito: não está funcionando! A lei maria da penha nunca vi funcionar direito. Só faz é aumentar o ódio do cara contra a mulher. E qtos feminicídios vimos aí onde o agente já respondia por crimes contra a mulher? Já tinha ordem de restrição e tudo o mais?? Caneta de juiz não é varinha de condão. Não fará a mágica de afastar o agressor. Até qdo vamos dar murro em ponta de faca? E dito isso, também sou contra o feminicídio porque realmente não acredito que a mulher seja a vítima por ser mulher. Mas por ser mais acessível emocionalmente. Porém, esse mesmo predador escolheria qq um no seu rebanho social com jeitão de fragilidade: mãe, empregada, filho pequeno, pai idoso...

Se não mudarmos de mentalidade, continuaremos terminando esse tipo de artigo com a frase"na prática, nem todos são iguais perante a lei". continuar lendo

Bom dia Christina, obrigada pelo excelente comentário "textão" (do tipo que gosto mais).
No entanto, o que mais me chamou atenção foram os parágrafos 2º e 3º do referido comentário.
Uma proposta para unir esse tipo de violência seria excelente, afinal quantos abusadores existem pelo mundo.
Há algum tempo venho estudando, individualmente ou via cursos pagos pela internet, sobre Psicologia Comportamental e me encanta; na verdade sempre me encantou. Só não volto à Faculdade para fazer isso porque não creio valer a pena financeiramente e eu preciso é viver ($$$$ - ou seja, comer); mas se acaso não necessitasse de tanto $$$ eu faria Psicologia e me especializaria em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC).

Também acredito que a Lei Maria da Peanha não é suficiente para casos de maus tratos emocionais - deveria haver outra que 'abarcasse' todos os gêneros; afinal vampiros, depredadores, pessoas com transtorno de personalidade narcisista é o que há. Mulheres e homens (mais homens); no lar, no trabalho, na escola via bulliyng, na igreja, na política, etc.

Em todos os lugares há um "vampiro" para nos sugar, nos arrastar para o fundo do poço se assim permitirmos - infelizmente, nem sempre é fácil deixar de permitir (algumas pessoas são mais vulneráveis); e eles, os depredadores sabem disso e se aproveitam. Como disse no artigo: "é como um leão solitário quando vê uma manada; ele não enfrenta todos; escolhe a desgarrada, a mais frágil, a menor ou o filhote"!

E assim se passa com abusadores, se aproveita dos que são mais fragilizados - muitos desses fragilizados já foram abusados na infância, no lar, com pais narcisistas ou em escolas, por serem diferentes!

Enfim; melhor seria tipificar o crime de abuso detalhadamente como vc fez no seu parágrafo segundo do texto. Quaisquer tipo de agressor pagaria pelo mal causado da mesma forma (independentemente de sexo); e aumentaria caso o abuso chegasse ao suicídio ou tentativa.
...
Não me alongarei mais, mas acrescento, gostei muito do comentário.
Obrigada pela participação!
Sucesso para ti

E quando é continuar lendo

Dra Elane, parabéns pelo artigo. Fico feliz em saber que a Justiça tem ciência desses seres malignos e espero que meu processo prossiga até a condenação do réu que me agrediu psicologicamente, fisicamente e me prejudicou financeiramente. continuar lendo